Banner 1
Banner 2
Banner 3
Banner 4
Banner 5
Banner 6


Serviço › Capelania

Definição

É uma prestação de serviço religioso ministrado aos enfermos em hospitais da rede pública ou privado, garantido por lei federal e leis estaduais e municipais. A Capelania Hospitalar desdobra-se no atendimento não somente aos vários tipos de enfermos: soropositivos, cancerosos, infantes, pacientes terminais, pacientes graves e etc, mas também à comunidade hospitalar em geral. Para cada tipo de paciente requer-se um preparo e sensibilidade do capelão, o qual tem sempre uma linguagem diferenciada e apropriada.


O Capelão

O Capelão hospitalar é o religioso devidamente qualificado, que cuida da assistência religiosa e espiritual dentro dos hospitais, quer seja dos doentes ali internados, quer seja do pessoal de trabalho: médicos, enfermeiros, psicólogos assistentes sociais, terapeutas, ouvidores e outros funcionários das diversas áreas administrativas.


No âmbito da ABCG/Santa Casa

Nesta Casa de Saúde a Capelania Hospitalar tem por finalidade a prestação de assistência religiosa e espiritual aos enfermos e seus familiares, acompanhantes, diretores, profissionais de saúde, funcionários e prestadores de serviço da instituição, sem acepção de credo religioso. E funciona com fulcro na Lei Federal nº 9982 de 14/07/2000 e respaldada pela Lei Estadual/MS nº 3131/15/12/2005, e foi implantada pela Portaria nº 03 de 17/02/10. Além da prestação de assistência religiosa, ela busca também humanizar o ambiente hospitalar.


O Serviço de Capelania Hospitalar é gerido por um Comitê de Assistência Religiosa, composto por sete gestores, sendo um representa do hospital e os capelães hospitalares, pertencentes às denominações religiosas registradas no país que não atentam contra a moral, a disciplina e as leis vigentes. Esse Comitê, tem em sua composição um coordenador e um vice-coordenador.


Os capelães integrantes do comitê satisfazem as seguintes exigências:

  • São graduados em curso de formação teológica regular, de nível superior, reconhecido pela autoridade eclesiástica de sua denominação religiosa;
  • Possuem titulação de curso e estágio em Capelania Hospitalar

Os Capelães membros do comitê têm livre acesso a todas as dependências da instituição, quando se faz necessário independente de horário e ainda estão à disposição para o atendimento de eventual convocação.


O Comitê mantém um de seus capelães na instituição diariamente no regime de plantão no período das 14h às 17h, os quais prestam serviços voluntários, não recebem qualquer remuneração, vantagem ou benefício de qualquer natureza para o exercício de suas atividades na instituição hospitalar e não mantêm qualquer vínculo de natureza empregatícia com esta Casa de Saúde, no que se refere à Capelania Hospitalar, sendo lhes facultado o exercício do Serviço de Capelania em qualquer outra instituição.


Compete ao Capelão integrante do Comitê:

  • Planejar e prestar assistência religiosa a todos os pacientes, familiares e servidores que desejarem respeitando a individualidade e liberdade de crença de cada um;
  • Assessorar o Presidente, os Diretores e à comunidade hospitalar em assuntos religiosos e morais;
  • Administrar os ofícios religiosos às pessoas da comunidade hospitalar que desejarem receber a ceia do Senhor, confissão, eucaristia, batismo, matrimônio, unção dos enfermos, bênçãos, ou qualquer sacramental, respeitando os respectivos credos religiosos, bem como as normas hospitalares;
  • Participar e colaborar na organização das festividades religiosas e datas comemorativas da ABCG/Santa Casa;
  • Promover e coordenar a distribuição gratuita de literatura religiosa de qualquer crença aos destinatários do Serviço de Capelania Hospitalar;
  • Avaliar e autorizar a distribuição de literatura no âmbito religioso;
  • Promover assistência espiritual em harmonia com o corpo clínico para um atendimento holístico aos pacientes internados;
  • Promover a execução de programas de aconselhamento aos pacientes internados, familiares e comunidade hospitalar, quando solicitado;
  • Colaborar com a instituição, sempre que possível e tiver relacionados com as atividades inerentes ao serviço religioso;
  • Cooperar com líderes de qualquer crença religiosa, proporcionando-lhes o regular contato com seus fiéis, dentro da disciplina hospitalar;
  • Submeter a apreciação do Presidente, o programa de suas atividades inerentes ao exercício de suas funções, a fim de não interferir nas atividades fins desenvolvidas nesta instituição;
  • Assistir religiosamente as formaturas conclusivas de cursos desta unidade hospitalar, quando solicitado;
  • Assistir religiosamente as inaugurações, cerimônias de posse de diretores das unidades, comemorações da área de saúde, desta instituição, quando solicitado.

Integram ainda a Capelania, visitadores hospitalares voluntários, interessados em prestar a assistência religiosa, sendo esses cadastrados na secretaria do comitê preenchendo o requerimento fornecido pela secretaria. Devem ainda apresentar declaração de recomendação emitida por sua respectiva denominação religiosa. Esses voluntários atendem os critérios de boa conduta social, à disciplina, à moral e às normas vigentes.


Uma vez ingressados na atividade de visitador hospitalar eles usam jalecos com a logomarca da capelania e crachá de identificação fornecido pelo comitê.


A prestação de assistência religiosa é executada:

  • Em atendimento a pedido do próprio paciente;
  • Em atendimento a pedido de familiares do paciente ou do seu responsável legal;
  • Por livre iniciativa do líder religioso pertencente à confissão religiosa do paciente;
  • Por iniciativa dos profissionais de saúde desta instituição;
  • Por iniciativa do plantão administrativo;
  • Por iniciativa própria dos capelães membros do comitê.

O comitê atende ainda os líderes religiosos de todos os credos, quando estes necessitam de prestar assistência espiritual a seus fiéis internados.


A visita do líder religioso a esta instituição de saúde para fins de prestação de assistência religiosa poderá ser feita:

  • A qualquer hora do dia ou da noite, quando em atendimento a pedido formulado com base nos itens acima;
  • Em horário normal de visitação religiosa, das 14h às 17h, quando feitas por iniciativa própria.

A visita religiosa pode ser interrompida quando:

  • Houver necessidade da realização de procedimentos médicos;
  • O paciente for submetido à higienização;
  • O paciente tiver que ser medicado.

A visita religiosa poderá ser retomada, logo após a cessação dos motivos geradores da sua interrupção, com a devida liberação do profissional de saúde.


São deveres do líder religioso:

  • Apresentar-se na secretaria do comitê com o respectivo documento de identificação;
  • Informar o(s) nome(s) do(s) paciente(s) que pretende visitar e assistir bem como a atividade que deseja realizar;
  • Observar as normas de silêncio, acessibilidade e higiene adotadas nesta instituição de saúde, inclusive aquelas referentes às visitas a pacientes internados nos centros ou unidades de tratamento intensivo, bem como unidades de risco, isolamento ou de doenças infecto-contagiosas, além de outras situações afins, conforme critério médico.
  • Esforçar-se para cumprir sua missão com a brevidade possível, sem prejuízo do bem-estar da pessoa assistida ou dos leitos vizinhos;
  • Usar o crachá de identificação de visitante religioso, fornecido pela secretaria do comitê, em local visível durante sua permanência nesta instituição.

São deveres desta instituição de saúde:

  • Recepcionar de forma respeitosa, cordial e indiscriminada os líderes religiosos;
  • Colaborar com os líderes religiosos, facilitando o acesso aos espaços onde realizarão suas visitas;
  • Manter o pessoal dos setores de: apartamentos, enfermarias e CTIs, Prontomed, Pronto Socorro e demais dependências desta instituição, devidamente informado a respeito;

Os Capelães membros do comitê realizam celebrações religiosas (Cultos e Missas) conforme julgarem necessário; para tanto, são autorizados a convidar os pacientes internados, em condições de locomoção, cujo quadro clínico não tenha restrições feitas pelo médico assistente, para participarem das referidas celebrações, bem como seus acompanhantes, sendo que cabe à chefia de enfermagem a devida autorização para a participação desses pacientes nas aludidas celebrações.

Os Capelães católicos celebram missas diariamente, na capela interna, em horários alternados, visando contemplar os funcionários dos diversos turnos de atividades, já os evangélicos realizam cultos dominicais no auditório, no horário das 14h às 15h30.


Entendendo a capelania hospitalar

A Capelania tem como missão atuar nos hospitais através de voluntários capacitados que levam amor, conforto e esperança aos pacientes, familiares e profissionais da saúde, vivendo a fé cristã através do atendimento espiritual, emocional, social, recreativo e educacional, sem distinção de credo, raça, sexo ou classe social, em busca contínua da excelência no ensino e no ministério de consolo e esperança eternos.


Atividades realizadas pela capelania hospitalar

Além das visitas e celebrações religiosas, a capelania realiza ainda ,presentações musicais aos pacientes e uma atividade especial destinada às crianças. Essas atividades são executadas pelos Doutores do Reino, um grupo de jovens que, caracterizados, dominicalmente visita o 6º andar e, ali, cantam, dançam e celebram com as crianças, pais e acompanhantes.


Contato

Telefone: (67)3322-4313.



Práticas de Enfermagem


▲ Topo